TIRO NO PÉ: Hildon Chaves comete nova gafe ao denunciar no MP suposto esquema de “supersalários” na PMPV

Compartilhe agora

Após barrigada, Hildon Chaves deverá voltar atrás sobre ‘marajás’ municipais

364 – O delírio de Hildon Chaves (PSDB) durou poucas horas. Após ser chamado a atenção por seus próprios assessores, Hildon deverá se desculpar pelo transtorno trazido aos procuradores, controladores e fiscais.

Pelo menos, isso é o mínimo que deveria fazer. Atacar a alta cúpula com uma acusação seríssima no MP/RO sobre esquema na folha de pagamento é algo sério e ele, muito mais do que se desculpar, deve responder judicialmente por isso.

Em entrevista à ex vereadora Cristiane Lopes (Podemos) na SIC TV filiada a Rede Record, ao ser questionado o prefeito tucano fez um “balaio de gato” e tentou justificar a insensatez atribuindo culpa ao sistema de informática do Portal da Transparência do Município.

O que Hildon Chaves fez hoje é uma das piores “barrigadas” já dadas por um político na história do Município.

Amadorismo e prepotência misturados vão render a ele o troféu de vexame político do ano. Se o prefeito realmente não sustentar sua denúncia com provas robustas, ele pode dar adeus a sua carreira política.

Ele agiu sozinho, sem pelo menos perguntar aos assessores diretos – a maioria deles advogados – e acabou tornando-se a grande chacota do dia. Até mesmo seus assessores mais chegados, a exemplo de Fabrício Jurado (DEM) e Devanildo Santana devem ter ficado atônitos com a atitude do chefe que acabou atirando no próprio pé ao tentar acertar um fantasma que só ele viu.

Hildon Chaves ladeado pelo secretário geral da SGG Fabrício Jurado (DEM)

Bastou alguns minutos de aulas com os colegas da Semad com Alexey Cunha e da Secretaria Geral de Governo para que ele caísse na real sobre a patacoada que protagonizou.

Pode-se dizer que Hildon acabou de jogar pelo ralo a última gota que ele possuía de credibilidade. Gafes como a do golpe das 400 mil doses da vacinas e agora a denúncia dos “Marajás Fantasma” irão sepultá-lo politicamente. A política de fato não é para amadores.

Fonte: Brasil364


Compartilhe agora