SUPERSALÁRIOS: Sobrinho da primeira dama induziu Hildon Chaves a fazer falsa denúncia no MP

Compartilhe agora

364 – O portal Brasil364 teve acesso com exclusividade ao conteúdo da reunião com integrantes do “gabinete de crise” de Hildon Chaves.

Hildon Chaves ladeado pela primeira dama de Porto Velho Ieda Chaves

Os representantes das classes ofendidas por Hildon Chaves (PSDB) pediram a cabeça dos ´conselheiros´ que induziram o chefe do executivo que mais uma vez caiu no conto do vigário. Hoje pela manhã reuniram-se junto aos representantes do prefeito Hildon Chaves que estiveram na reunião “secreta” da Associação dos Procuradores do Município. Na reunião participaram Fabrício Jurado (DEM), secretário-geral de Governo e seu adjunto, Devanildo Santana.

Os procuradores, controladores, fiscais e demais técnicos não irão deixar barato e estão com sangue nos olhos e exigem um desagravo público em uma coletiva de imprensa, isentando os servidores acusados de receber “supersalários” e que retire a queixa feita na sede do MP/RO. Caso contrário, Hildon correrá o risco de inviabilizar sua administração.

Depois de mais um deslize, Hildon Chaves deu adeus a sua pretenção política


Outro ponto que merece destaque é a pauta que exige a rápida e imediata exoneração do sobrinho da primeira dama Ieda Chaves, o secretário adjunto da Semdestur, Jhonatan Pacheco, que segundo a categoria caluniada pelo prefeito, atribui a ele as “lambanças” que ganharam capa na mídia rondoniense.

Jhonatan Pacheco sonha em ser o “manda chuva da PMPV” e tornou-se o principal responsável em orientar Hildon a fazer a denúncia infundada na sede do MP/RO


Para alguns especialistas o prefeito tucano, além de cometer o deslize de fazer uma denúncia infundada, cometeu crime em face da nova lei de abuso de autoridade.

Art. 38. Antecipar o responsável pelas investigações, por meio de comunicação, inclusive rede social, atribuição de culpa, antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação: (Promulgação partes vetadas)

Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

Há vereador dizendo que irá requerer a instauração de uma CPI para apurar o “escândalo do supersalários” fantasmagórico de Hildon Chaves. Isso certamente será assunto para as próximas semanas.

Fonte: Brasil364


Compartilhe agora