Home / Brasil / SONHO ACABOU – Proposta de Bolsonaro enterra esperança de emancipação da Ponta do Abunã em Porto Velho
Últimas Notícias

SONHO ACABOU – Proposta de Bolsonaro enterra esperança de emancipação da Ponta do Abunã em Porto Velho

Compartilhe agora

SONHO ACABOU – Proposta de Bolsonaro enterra esperança de emancipação da Ponta do Abunã em Porto Velho

Com uma população superior á 15 mil pessoas, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, a Ponta do Abunã é uma área que contempla os distritos portovelhenses de Extrema de Rondônia, Nova Califórnia, Vista Alegre do Abunã e Fortaleza do Abunã e faz divisa com os estados do Acre, Amazonas, além da fronteira internacional com a Bolívia.

Essa área despontou na produção agrícola, cresceu e tomou ares de cidade e foi no ano de 2010 que a comunidade da Ponta do Abunã conquistou o direito de ver a região independente de Porto Velho e se transformando em município, isso após o plebiscito que contou com 170 004 eleitores portovelhenses votando pela emancipação.

Pá de cal

Porém, o sonho da comunidade da Ponta do Abunã pode ter ido por água abaixo com a Proposta de Emenda à Constituição – PEC, que rege as normativas do pacto federativo da União, que irá extinguir municípios com menos de cinco mil habitantes na intenção de reduzir municípios e enxugar a máquina pública.

Com essa medida, a emancipação da Ponta do Abunã se tornaria algo praticamente impossível de acontecer, pois vai de colisão ao projeto de Paulo Guedes, ou seja, enquanto a agenda do Governo Federal seguir na linha do corte gastos exposto no pacto federativo, essa pauta estará fora de questão.

Municípios reduzidos

Em Rondônia, de acordo com o IBGE, cinco cidades serão anexadas ao município mais próximo caso a proposta passe na Câmara Federal, Rio Crespo com 3.764, Teixeirópolis com 4.308, Primavera de Rondônia com 2.856, Pimenteiras do Oeste com 2.169 e Castanheiras com 3.052 habitantes.

Fonte: Brasil364/ SamuelCosta


Compartilhe agora

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*