Home / Brasil / “São Paulo é o estado mais comunista do Brasil”, Luciano Hang
Últimas Notícias

“São Paulo é o estado mais comunista do Brasil”, Luciano Hang

Compartilhe agora


© Alan Santos/PR
O empresário Luciano Hang, da Havan: 16 das 145 lojas estão fechadas, a maioria no interior paulista
O empresário catarinense Luciano Hang, dono da Havan, rede de 145 lojas de departamento espalhadas pelo país, vem travando uma batalha na Justiça para tentar reabrir 16 estabelecimentos que permanecem fechados por causa da pandemia do novo coronavírus. Bolsonarista ferrenho, Hang não poupa críticas ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB): “É o estado mais comunista do Brasil”, afirmou a VEJA. Das 16 lojas que permanecem fechadas, 11 estão localizadas no interior paulista. Uma delas, na cidade de Marília, foi lacrada no início da semana por ordem da Justiça, depois que a empresa insistiu em continuar com as portas abertas com a justificativa de que nada mais é que um hipermercado, ou seja, atua em uma atividade essencial.

Após o início da pandemia, as maiores lojas da Havan incluíram itens como arroz, feijão e óleo de cozinha, em meio a utilidades domésticas e eletrodomésticos, que são o forte da varejista. Na decisão de um juiz de Marília, porém, a inclusão de itens de cesta básica nas prateleiras da Havan não passa de um artifício da empresa para burlar as regras de quarentena, que proíbem a abertura de estabelecimentos não essenciais. “Pretender sustentar em juízo que a Havan é supermercado, com todas as vênias, é atentar contra a realidade dos fatos e basta uma simples consulta ao sítio eletrônico da empresa impetrante”, escreveu o magistrado Walmir Idalêncio dos Santos Cruz.

Hang rechaça a decisão: “Sou eu que estou tento meu direito afrontado! Eu vendo o que eu quiser dentro das minhas lojas, de acordo com que o registro da minha empresa permite. Eu estaria fazendo sacanagem se tivesse mudado meu contrato social no meio da pandemia, mas sou cadastrado como hipermercado há mais de 30 anos. Se um hipermercado, como o Carrefour, pode vender alimentos, televisão, roupa etc etc, por que não posso vender isso tudo e também alimentos?”, indagou o empresário.

A Havan passou a vender alimentos, como arroz e feijão, que nunca fizeram parte de seu portfólio. Essa é uma estratégia para se enquadrar nos decretos de quarentena, que só permitem o funcionamento de estabelecimentos de atividades essenciais? Olha, eu sempre digo que eu adoro uma crise. E quanto maior ela for, melhor. Para mim, que já nasci na crise, em 1986 (quando fundou a Havan, período de inflação e forte instabilidade econômica), estou acostumado a me reinventar. Essa é a hora de procurar o novo. Nós crescemos muito, 200%, 300%, em vendas online nesse período da pandemia em relação a 2019, e também começamos a vender alimentos em algumas lojas, aquelas com maior espaço. Nós podemos fazer isso, porque que temos o CNAE (registro de Classificação Nacional de Atividade Econômica, que define o ramo de atuação das empresas) de supermercado e hipermercado. A Havan tem 34 anos de história e já vendemos vinhos, chocolates, produtos estrangeiros. Crise é isso: é superar obstáculos, é desenvolver formas de sobrevivência. A área de alimentação faz parte da estratégia de aumentar as vendas nesse momento.

Mas o juiz de Marília, que decidiu pela lacração da loja na cidade, não aceitou essa justificativa. O juiz não tem de dar opinião dele, tem de se ater a fatos. O juiz de Marília está sendo ativista político. Ele tem ideologia, é diferente. Foi o único que deu uma decisão esdrúxula e pessoal. Seria sacanagem minha, se eu tivesse mudado meu contrato social no meio da pandemia para vender alimentos, mas não fiz isso. Sou cadastrado como hipermercado há mais de 30 anos. Sou eu que estou sendo afrontado no meu direito. Eu só quero isonomia. Se eu tenho alvará para isso, eu vendo o que eu quiser. Há empresas de e-commerce que passaram a vender itens de supermercado. O Magazine Luiza fez isso. Eu vou vender alimentos em lojas físicas, onde eu tenho espaço, e vender em cinco vezes, sem entrada e sem acréscimo. Eu tenho alvará, tenho de ter liberdade para isso. Eu é que estou sendo vítima de juízes, de procuradores, de promotores, que usam sua caneta para impor sua ideologia.

“O juiz de Marília está sendo ativista político. Ele tem ideologia, é diferente. Foi o único que deu uma decisão esdrúxula e pessoal”

O senhor vai continuar brigando para abrir as lojas? Claro! Eu vendo nas minhas lojas o que eu quiser. Eu já vendi tecido, já vendi R$ 1,99, chocolate, panetone… E não tem ninguém comunista, socialista, totalitarista que tem de dizer para mim o que eu tenho de vender nas minhas lojas. Eu tenho espaço, tenho tranquilidade para fazer o distanciamento social com segurança nas minhas lojas. Nós entramos com 23 mandados (de segurança, para reabrir estabelecimentos). Sou eu que estou sendo afrontado no meu direito. Eu sempre falo que o Brasil é um país comunista, onde o poder público quer mandar no cidadão. Aliás, hoje o estado mais comunista do Brasil se chama São Paulo. São Paulo hoje quer mandar na população. Veja que pararam tudo há 60 dias atrás, quando a maioria das cidades não tinha nenhum caso de Covid-19. Isso é coisa de maluco, de incompetente, de quem não sabe administrar. O grande problema não só da Havan, mas do Brasil, é o estado de São Paulo.

Mas o senhor quer dizer que o governador paulista é comunista? E o que o senhor acha que um governador ou um prefeito ganha em quebrar a economia? Lamentavelmente, é nesse momento que a gente vê o que cada um é. Quando a gente dá poder para a pessoa, é que ela mostra o que é na verdade. Eles ganham, sim! Ganham porque a economia elege o presidente. Isso é politicagem pura. Se a economia vai bem, cresce a 2,5% ou 3% este ano, mais o mesmo tanto no próximo ano, o emprego aumenta, voltamos ao pleno emprego. Isso tem a ver com eleição. Veja que os estados e municípios não estão pagando as contas até dezembro. Os estados estão ganhando o ICMS que perderam, os municípios estão ganhando o ISS que perderam. Querem o caos econômico para ganhar as eleições.

“Eu vendo nas minhas lojas o que eu quiser. Eu já vendi tecido, já vendi R$ 1,99, chocolate, panetone”

Quanto as 11 lojas de São Paulo representam da receita da Havan? Entre 15% e 20% do meu faturamento.

Quantos funcionários o senhor demitiu? Não demitimos ninguém. Temos 20 mil empregados e colocamos 11 mil na Medida Provisória 936 (que reduz jornada e salário com complementação de parte da folha pelo governo federal). E na semana que vem estamos abrindo uma loja em Gravataí, no Rio Grande do Sul, e volta o nosso plano de expansão.

Quantas lojas o senhor pretendia abrir este ano antes da pandemia e quantas planeja abrir agora? O planejamento era abrir 25 este ano. Abrimos quatro antes da pandemia e devemos abrir mais seis ou sete.

O senhor tem algum funcionário infectado pelo novo coronavírus? Nenhum!

Como estão as vendas da Havan durante a pandemia? Para você ter uma ideia, nessa última semana (iniciada em 18 de maio), estamos vendendo igual ou mais do que o mesmo período do ano passado. Em março, paramos 15 dias. Em abril, tivemos queda de 50% das vendas, mas em maio deve empatar com o faturamento do ano passado. Em 2019 faturamos 10,5 bilhões de reais e tivemos mais de 1 bilhão de lucro. Aqui é tudo no azul, nada no vermelho.

Fonte: MSN/Veja/RobertaPaduan


Compartilhe agora

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*