Home / Brasil / Ricardo Marini denúncia agressão física e omissão de socorro em boate na capital e se diz vítima de Homofobia
Últimas Notícias

Ricardo Marini denúncia agressão física e omissão de socorro em boate na capital e se diz vítima de Homofobia

Compartilhe agora

O jovem Ricardo Marini tornou-se mais uma vítima de “Homofobia” em Porto Velho (RO) e cobra justiça sobre o fato ocorrido nesse final de semana. O estudante apresenta inúmeras alegações em sua rede social.

CRIMES!!! Homofobia, Lesão corporal grave, Omissão de socorro, inclusive de quem tinha obrigação de agir

“Fui agredido em uma boate (VIP Club Lounge, na Calama c/ João Goulart, em Porto Velho), no dia 31/05/2019, por volta das 02:00 às 04:00

Quando o amigo que foi comigo se separou de mim, um cara saiu da rodinha de amigos (de uns 6 ou 7 + algumas mulheres) e me falou “melhor você cair fora que não é lugar pra você, entendeu? aqui é todo mundo macho, tem militar aqui, entendeu?”. (Motivo: eu estava com uma pulseira com as cores do arco-íris que eu comprei na Argentina, coisa que me parece tão irrelevante que eu só me dei conta mais tarde.)

Também não dei importância pra ameaça, nunca havia sido agredido ou pensei que algo assim fosse acontecer comigo.

Então, eu estava distraído, ele me deu um soco. Eu fui pra fora me afastar, evitar o conflito.

Depois entrei pra procurar o meu amigo pq minha bateria havia acabado, ele veio de novo e me deu outro na testa.. muito forte que o sangue desceu pelo nariz na hora, senti muita dor como uma sinusite.

No momento, eu estava só e sangrando e o cara estava com a turma dele. Os seguranças não fizeram NADA, ao contrário me colocaram pra fora..

E lá fora, eu estava tentando pedir ajuda de alguém pra chamar um Uber por causa da minha bateria. O cara me bateu de novo, muito forte no olho

Tive a impressão de que alguns dos amigos dele tbm me bateram, porque eu já não estava tão consciente (as câmeras do local vão mostrar isso.

Um deles identifiquei chamado Bruno, porque uma menina gritou “deixa ele, Bruno, ele não tá fazendo nada”.

Um Uber me ajudou e me levou pra casa.. ainda queriam bater no Uber..
E até mesmo quando e eu já estava dentro do carro (os vidros abaixados porque era um carro simples sem ar), um deles passou e deu outro, em cheio na boca.

Tive fratura na raiz de um dente da frente e provavelmente vou perdê-lo.. sai segunda o laudo da tomografia, será melhor visível que o raio-x.

Vim pro interior passar uma semana longe.. eles estão aí (em Porto Velho) não sei quem são ainda, as pessoas me assustam, sons, quase não consegui dormir ainda apesar dos remédios, quando estou quase dormindo, lembro algo e me assusto.” Finalizou Marine em sua rede social

Agora cabe aos órgãos de controle e fiscalização tomarem as devidas previdências.

Fonte: Brasil364


Compartilhe agora

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*