Deputado Lúcio Mosquini diz que STF foi estupido ao mandar prender Daniel Silveira

Compartilhe agora


O deputado federal Lúcio Mosquini (MDB) se manifestou contra a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, de ordenar a prisão do também deputado federal do PSL no Rio, Daniel Silveira, consumada na noite de terça (16). “Acho uma estupidez um ministro do STF mandar prender um deputado”.

A posição do parlamentar rondoniense aconteceu na quarta-feira (17), durante entrevista ao programa Pinga Fogo, da rádio Rolim FM.

Silveira foi preso em flagrante pela Polícia Federal depois de divulgar um vídeo com discurso de ódio contra os integrantes do STF. O ministro Alexandre de Moraes entrou em contato com Lira por telefone logo depois de assinar a decisão.

Na quarta-feira (17), o plenário do STF decidiu por unanimidade referendar a decisão do ministro Alexandre de Moraes. Com essa confirmação, o caso vai ser remetido à Câmara.

“Acho uma estupidez o Daniel agir da maneira como ele agiu, mas também acho uma estupidez um ministro do STF mandar prender um deputado. Será que não tinha autras medidas”, destacou

Mosquini deixou claro também sua posição de votar a favor do relaxamento da prisão do colega.


“Hoje foi com ele (Silveira), amanhã poderá ser comigo ou outro parlamentar. O STF extrapolou todas as medidas, mesmo porque ele tem o direito de se expressar. Agora eu também sou franco, ele não xingar e atacar o STF, a Câmara, o Congresso”, disse o parlamentar

Dos oito parlamentares de Rondônia que compõem a Casa, apenas Lúcio Mosquini e coronel Crisóstomo (PSL), se manifestaram, até o momento, e contra a prisão do colega. Os demais não se posicionaram.

Por se tratar da prisão de um deputado em flagrante, a Casa precisa definir também em plenário se a prisão deve ser mantida.

Há quem acredite que a cúpula da Câmara deve tentar encontrar um meio-termo ao tratar sobre a prisão do parlamentar. Na prática, seria livrar o político da prisão e remeter o caso para o Conselho de Ética.

No entanto, estão em jogo dois pontos sensíveis para a Câmara: ao concordar com o STF, isso pode abrir brecha para que a prisão de outros deputados enrolados com a Corte sejam decretadas de forma monocrática; e, em caso de discordância, isso pode abalar a relação entre os Poderes. Por isso, é esperado que a cúpula da Câmara tente encontrar uma alternativa que mostre que entende a gravidade do fato, mas não entregue toda a decisão nas mãos do Supremo.

Vídeo: https://m.facebook.com/watch/?v=156911936245617

Fonte: MaisRO


Compartilhe agora