Home / Brasil / Delatado, presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, diz ser alvo de retaliação
Últimas Notícias

Delatado, presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, diz ser alvo de retaliação

Compartilhe agora

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, foi alvo de delação pelo ex-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio (Fecomércio), Orlando Diniz.

De acordo com reportagem da CNN Brasil, que teve acesso a trechos da delação em que Santa Cruz é acusado de ter supostamente pedido – e recebido – R$ 120 mil para sua campanha de reeleição à OAB do Rio em 2014.

Na delação, o ex-presidente da Fecomércio-RJ, que foi preso em fevereiro de 2018 na Operação Jabuti, um desdobramento da Lava Jato, diz que Santa Cruz lhe pediu dinheiro em espécie, mas que acabaram combinando um contrato de fachada.

Felipe Santa Cruz divulgou nota em que afirma que a delação é uma retaliação. Santa Cruz é advogado do Sesc-RJ, que em ação junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), conseguiu condenar Orlando Diniz a devolver R$ 58 milhões aos cofres da entidade que presidiu.

“O presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, rechaça com veemência as ilações mentirosas dessa delação fantasiosa. Ressalta que nunca pediu qualquer tipo de apoio para campanha da Ordem ou negociou qualquer serviço com o senhor Orlando Diniz. Tais mentiras só podem ser interpretadas como retaliação à ação do dr. Felipe Santa Cruz como advogado do SESC e do SENAC/RJ em processo no TCU, justamente pedindo ressarcimento dos danos causados pelo delator às organizações – processo esse em que esse senhor foi condenado a devolver mais de R$ 58 milhões aos cofres do Sesc e do Senac estaduais por um convênio ilegal. Está clara a intenção de destruir reputações para tentar escapar de penas pesadas às quais são submetidos aqueles que, como o pretenso delator, cometem crimes”, enfatiza Felipe Santa Cruz em nota.

Na delação, Diniz diz que firmou um contrato entre a Fecomércio e um laranja de Santa Cruz, o advogado Anderson Prezia. Diniz disse que o contrato foi assinado e pago, mas os serviços nunca foram prestados.

Fonte: Brasil247


Compartilhe agora

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*