Home / Brasil / COMO LUCIANO HANG ESCAPOU DA PRISÃO NO TRF – 4 APÓS SER CONDENADO EM 2ª INSTÂNCIA
Últimas Notícias

COMO LUCIANO HANG ESCAPOU DA PRISÃO NO TRF – 4 APÓS SER CONDENADO EM 2ª INSTÂNCIA

Compartilhe agora

Luciano Hang foi condenado no STJ por montar sua “contabilidade com racionalidade germânica a serviço do crime”, conforme palavras que constaram da manifestação da subprocuradora do MPF, Ela Wiecko de Castilho.

Luciano Hang e Sérgio Moro

A menção a “germânica” extraída de documento público assinado pelo MPF parece que tenta remeter à origem alemã do pai de Luciano, que é de raiz italiana por parte de mãe.

Em 1998, a PF o flagrou declarando importação de 1,9 tonelada de tecidos, mas quando os policiais abriram o contêiner, encontraram 3 toneladas, ou seja, pagava quase um terço menos de imposto do que era devido, só nesta carga.

Impossível saber quantas vezes ele tinha feito isso. Apurou-se que a estratégia envolvia 14 pessoas, entre elas um primo, contadores, fiscais do INSS e da Receita Federal, apontados, em documentos públicos e oficiais, como cúmplices de uma orcrim – a clássica organização criminosa.

O conhecido “véio” contratou para defendê-lo uma legenda do Direito, o experiente advogado Nabor Bulhões. O preferido de Fernando Collor, Marcelo Odebrecht, Paulo César de Farias e o governo da Itália, que o contratou para obter a expulsão de Cesare Battisti.

Luciano sempre negou que seja criminoso – não quis falar com o DCM quando procurado para dar sua versão dos fatos. A negativa, porém, está nos autos dos processos consultados.

Ali aparece até um truque para sonegar: importação de 60 dúzias de tesouras a 1,20 cada. Aí a empresa dele trocava de 60 x 12 x 1,20, para 60 x 1,2.

Desvios em cisnes de porcelana e tesourinhas (Fonte: STJ)

O Ministério Público Federal documentou todos os crimes dos quais acusou Luciano e o caso foi parar no STJ. Ali, ele pediu até habeas corpus, que nem era a medida processual adequada e, por isso, não obteve resultado.

Depois desta denúncia, novos escândalos foram denunciados em outros processos igualmente públicos.


Neste primeiro processo o “Véio” foi condenado a três anos, mas desviou da pena ao aderir ao programa de parcelamento REFIS, em que fez o célebre acordo para pagar os tributos que devia em 115 anos.

Em uma das decisões, constou que seria bom impedir a condenação “para não manchar o nome do negócio” – apresentamos Havan, a limpa.

É impossível falar de Luciano Hang sem mostrar a luta dele e seus advogados em tribunais por 21 anos para escapar de condenações criminais que deveriam fazer com que ele e todos os outros empresários devedores nacionais fossem responsabilizados por dívidas públicas.


O caso mais emblemático entre 38 na área federal é o processo número 2003.72.00.010174-2.

Este corre em sigilo. Toda a investigação iniciou-se no ano de 2000 em Blumenau, relativa a crimes de lavagem de dinheiro e outros contra o sistema financeiro.

Como mais à frente se verá, o processo iniciou sua tramitação na Justiça Federal de Florianópolis no ano de 2003, sendo que depois de muitos pedidos de vistas, adiamentos, inúmeros recursos, o processo levou mais de uma década.

Não foi possível encontrar os registros da tramitação deste processo na Vara de Florianópolis, mas é certo que a condenação foi superior à 14 anos.

Aí, em junho de 2008, ele recorreu ao TRF-4, aquele que bateu em Lula à jato.

Em 27/11/2008 foi pautado para julgamento no dia 10/12/2008. Parecia rápido, né? No dia 10 de dezembro, o julgamento ganhou seu primeiro adiamento.

Ação penal do MPF: “megafraude” na Havan

No dia 17/02/2009 foi realizada a sessão de julgamento, sendo que um dos desembargadores pediu vistas do processo – pediu vistas, você sabe, significa adiar tudo.

Em maio de 2009, saiu uma decisão diminuindo condenação. E novo adiamento.

Com esta mini vitória, começou a saga dos advogados de uma das bancas mais caras do Brasil. Embargos de declaração tiveram o condão de jogar o caso para ser julgado de novo mais de um ano depois, em 27 de julho de 2010, reduzindo a pena para 9 anos e 4 meses.

Passou, mesmo devagar, pelo TRF-4, segunda condenação. LH não gostou do resultado. Recorreu ao STJ. O recurso só chegou lá 10 meses depois, em maio de 2011.

Caiu nas mãos do ministro Jorge Mussi, também catarinense. O caso ficou aguardando por uma análise por exatos 43 meses, sem nenhuma movimentação, demais até para a morosidade do STJ.

Em maio de 2015 o caso foi redistribuído para outro ministro. Em 02/09/2015 o recurso da defesa aliviou ainda mais a situação do LH, se sabe de quanto, pois a decisão não foi disponibilizada na íntegra, mas sabemos que foi mantida a condenação.

Dessa decisão, Luciano entrou com novo recurso, em 15/09/2015, um agravo regimental. Nos meses seguintes o agravo caiu de novo nas mãos de Mussi.

Aí LH pediu embargos de declaração. Novo sorteio livre, deu Mussi na cabeça. Em 30 de novembro de 2015 o caso saiu das mãos de Mussi para embargos de divergência.

Cansado de ler o juridiquês?

Não se preocupe. O caso acaba aqui. Em junho de 2016 a defesa pediu prescrição do caso. É claro que esta saiu rapidinha, em setembro estava no forno.

Depois de 16 anos de investigações e dezenas de embargos, LH é um cidadão livre, sem dever nada à Justiça, salvo pelo gongo.

Imagem do TRF-4 apontando a extinção da punibilidade de Hang

Luciano, portanto, não foi absolvido das acusações do Ministério Público Criminal porque foi considerado inocente.

O que aconteceu foi que os ministros reconheceram a prescrição (a impossibilidade de punir por conta do tempo transcorrido) que beneficiou o “Véio” e, talvez por isso, a pecha lhe seja tão pertinente.

Por Renan Antunes
Do Diário do Centro do Mundo


Compartilhe agora

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*